Cristo estará dividido?! Comentários

(Deverá “clicar” nas referências bíblicas, para ter acesso aos textos)

 

 

Mahomed Yiossuf Mahomed Adamgy - Lisboa, Portugal 2016-08-02

Prezado Camilo Coelho:

Li o teu artigo, que mereceu a minha melhor atenção e reencaminharei para os meus leitores, acompanhado do meu 1º. Comentário.

Como muçulmano e estudioso da Religião, em primeiro lugar é dar-te os parabéns e dizer-te o mesmo que disse, e muito bem, o Professor e Pastor Manuel Pedro Cardoso da Igreja Presbiteriana de Portugal: «É um trabalho globalmente bom, mesmo se em alguns aspectos não temos ideias convergentes. Mas é salutar a diferença de opiniões».

Depois, dizer-te que tenho dois comentários a fazer:

 

1 – Não é só no Velho Testamento (actual) onde há passagens que apelam ao racismo, forte discriminação da mulher, xenofobia etc. Também acontece no Novo Testamento;

2 – Quando dizes: «Não nos admiremos se a Bíblia não tiver resposta para todos os problemas dos nossos dias, pois é ao Espírito Santo que teremos de perguntar», devemos procurar saber quem é esse Espírito Santo e o Espírito da Verdade e quais as suas missões espirituais, segundo Jesus. 

 

 Hoje, na minha Reflexão Islâmica divulgarei, na íntegra, o teu artigo em questão e comentarei apenas sobre:

 Não é só no Velho Testamento (actual) onde há passagens que apelam ao racismo, forte discriminação da mulher, xenofobia etc. TAMBÉM HÁ PASSAGENS DESSAS E CONTRADIÇÕES NO NOVO TESTAMENTO ACTUAL.

Cordiais cumprimentos.

Um abraço do 

M. Yiossuf.

 

 

 1º. Comentário ao artigo «CRISTO ESTARÁ DIVIDIDO?!

de autoria de Camilo Coelho

Por: M. Yiossuf Adamgy

 

Do meu prezado amigo e estudante de teologia Camilo Coelho recebi, desta feita, um e-mail com o seguinte conteúdo:

«Tenho um novo artigo, de minha autoria, na página da internet Estudos bíblicos sem fronteiras teológicas, com o título de Cristo estará dividido?! (CC)

Neste artigo abordo o assunto das divisões no cristianismo e as várias igrejas, que vos convido a ler e divulgar por todos os interessados nestes assuntos, nomeadamente pelos pastores, padres e estudantes de teologia.

Como habitualmente, podem enviar os vossos comentários para eventual publicação, dirigidos a camilocoe@gmail.com

Todos os comentários para eventual publicação, devem vir acompanhados da sua identificação, salvo se já for colaborador desta nossa página na internet.

Fraternalmente

Camilo Coelho».

 

 

Prezados Irmãos,

Saúdo-vos com a saudação do Islão, "Assalam alai-kum", (que a Paz esteja convosco), que representa o sincero esforço dos crentes por estender o amor e a tolerância entre as pessoas, seja qual for o seu idioma, crença ou sociedade.

///

Prezado Camilo Coelho:

Li o teu artigo, que mereceu a minha melhor atenção e, de imediato, reencaminho para os meus leitores, acompanhado do meu 1º. Comentário.

Como muçulmano e estudioso da Religião, em primeiro lugar é dar-te os parabéns e dizer-te o mesmo que disse, e muito bem, o Professor e Pastor Manuel Pedro Cardoso da Igreja Presbiteriana de Portugal: «É um trabalho globalmente bom, mesmo se em alguns aspectos não temos ideias convergentes. Mas é salutar a diferença de opiniões».

Depois, dizer-te que tenho dois comentários a fazer:

1 – Não é só no Velho Testamento (actual) onde há passagens que apelam ao racismo, forte discriminação da mulher, xenofobia etc. Também acontece no Novo Testamento;

2 – Quando dizes: «Não nos admiremos se a Bíblia não tiver resposta para todos os problemas dos nossos dias, pois é ao Espírito Santo que teremos de perguntar», devemos procurar saber quem é esse Espírito Santo e o Espírito da Verdade e quais as suas missões espirituais, segundo Jesus. 

 

Hoje, e neste meu primeiro comentário, reflectirei apenas sobre:

Não é só no Velho Testamento (actual) onde há passagens que apelam ao racismo, forte discriminação da mulher, xenofobia, etc. TAMBÉM HÁ PASSAGENS DESSAS E CONTRADIÇÕES NO NOVO TESTAMENTO ACTUAL

 Senão vejamos, apenas alguns exemplos:

 

a)— «Não cuideis que vim trazer a paz à terra; não vim trazer paz, mas espada»; - Mateus 10:34. (Afinal, segundo o Novo Testamento actual, Jesus não veio trazer a paz…???).

 

b)— «E Jacó gerou a José, marido de Maria, da qual nasceu JESUS, que se chama o Cristo». - Mateus 1:16.

— «E o mesmo Jesus começava a ser de quase trinta anos, sendo (como se cuidava) filho de José, e José de Heli, e Heli de Matã …» - Lucas 3:23,24. (Afinal, segundo o Novo Testamento actual, Jesus é filho de José e não de Deus…???)

 

c)— «Todos (os Profetas) quantos vieram antes de mim são ladrões e salteadores; mas as ovelhas não os ouviram». - João 10:8. (Afinal, segundo o Novo Testamento actual, Jesus chamou de ladrões a todos os Profetas que o antecederam??? E, afinal, ele era Profeta tal como todos quantos vieram antes dele… e não filho de Deus …??? E mais: estes versículos contradizem o que Jesus confirmou a unidade dos Profetas de Deus em Lucas 13:28, ao dizer que todos os Profetas estão no Reino de Deus???).

 

d)— «E eis que uma mulher cananeia, que saíra daquelas cercanias, clamou, dizendo: Senhor, Filho de Davi, tem misericórdia de mim, que minha filha está miseravelmente endemoninhada. Mas ele não lhe respondeu palavra. E os seus discípulos, chegando ao pé dele, rogaram-lhe, dizendo: Despede-a, que vem gritando atrás de nós. E ele, respondendo, disse: Eu não fui enviado senão às ovelhas perdidas da casa de Israel. Então chegou ela, e adorou-o, dizendo: Senhor, socorre-me! Ele, porém, respondendo, disse: Não é bom pegar no pão dos filhos e deitá-lo aos cachorrinhos …». - Mateus 15:22-26. (Afinal, segundo o Novo Testamento, Jesus foi enviado para proclamar o seu Evangelho APENAS às ovelhas perdidas da casa de Israel?!!

 

e)— «Mas quero que saibais que Cristo é a cabeça de todo o homem, e o homem a cabeça da mulher; e Deus a cabeça de Cristo. Todo o homem que ora ou profetiza, tendo a cabeça coberta, desonra a sua própria cabeça. Mas toda a mulher que ora ou profetiza com a cabeça descoberta, desonra a sua própria cabeça, porque é como se estivesse rapada. Portanto, se a mulher não se cobre com véu, tosquie-se também. Mas, se para a mulher é coisa indecente tosquiar-se ou rapar-se, que ponha o véu. O homem, pois, não deve cobrir a cabeça, porque é a imagem e glória de Deus, mas a mulher é a glória do homem. Porque o homem não provém da mulher, mas a mulher do homem. Porque também o homem não foi criado por causa da mulher, mas a mulher por causa do homem». - 1 Coríntios 11:3-9.

— «Não permito, porém, que a mulher ensine, nem use de autoridade sobre o marido, mas que esteja em silêncio. Porque primeiro foi formado Adão, depois Eva. E Adão não foi enganado, mas a mulher, sendo enganada, caiu em transgressão». - 1 Timóteo 2:12-14. (Afinal, no Novo Testamento, também há forte discriminação da mulher???)

 

f)— «Mas, em vão me adoram, ensinando doutrinas que são preceitos dos homens». - Mateus 15:9. (Afinal, segundo o Novo Testamento, Jesus disse para não o adorarem ???)

 

g)— «E, outra vez vos digo que é mais fácil passar um camelo pelo fundo de uma agulha do que entrar um rico no Reino de Deus». - Mateus 19:24. (Afinal, segundo o Novo Testamento, Jesus disse que os ricos não entrarão no Paraíso …??? ao contrário do que Deus diz no Alcorão 28:37: “Mas procura (ó Muham-mad), com aquilo com que Deus te tem agraciado, a morada do outro mundo; não te esqueças da tua porção neste mundo, e sê amável, como Deus tem sido para contigo, e não semeies a corrupção na terra, porque Deus não aprecia os corruptores”).

 

h)— «Porque, em parte, conhecemos, e em parte profetizamos; Mas, quando vier o que é perfeito, então o que o é em parte será aniquilado». - 1 Coríntios 13:9,10. (Afinal, segundo o Novo Testamento, Jesus disse que virá um evangelho perfeito e o que o é será aniquilado. Então esse Evangelho Perfeito não pode ser o Evangelho de Jesus Cristo!… Não será o Alcorão?)

In cha’Allah (se Deus quiser), a minha próxima reflexão, debruçar-se-á sobre Quem é esse Espírito Santo e o Espírito da Verdade e quais as suas missões espirituais, segundo Jesus.

 

 

 

 

Opinião de Camilo Coelho

 

Obrigado caro Yiossuf, não só pelo teu comentário, como pela divulgação do meu artigo. Vamos a ver se desta vez mais algum islâmico me contacta, pois és o único islâmico que tem colaborado na minha página que está aberta a todas as religiões.

 

Não considero a Bíblia como infalível e até parte do texto deste artigo, em 1ª Coríntios 1:16 mostra que Paulo não estava nada preocupado em escrever alguma coisa em que não houvesse “nem sombra de erro” como alguns dizem. Nesse caso, teria rasgado tudo para voltar a escrever. Mas vendo que se tinha enganado, emenda da forma mais natural e continua. Ele era um homem como todos nós.

Encontramos em todos os livros religiosos, muita coisa que é do contexto histórico e cultural em que foram escritos, para serem compreendidos pelas pessoas dessa época.

Eu abordo alguma coisa desse assunto no meu artigo A Bíblia é a Palavra de Deus? (CC)  que escrevi já há alguns anos, mas ainda mantenho quase tudo que escrevi.

Quase todos os personagens bíblicos foram pessoas como nós, que foram crescendo e evoluindo através das suas experiências.

 

Já li o número 201 da tua revista “Reflexões Islâmicas”, e agradeço pelas questões que levantas que suponho serem as dúvidas de muitos islâmicos.

Tenciono pegar em cada uma dessas passagens para lhes dar algum desenvolvimento. Mas para já, gostaria de deixar estes princípios que tenho seguido:

Para interpretar algum versículo, temos de atender ao seu contexto. É por isso que em vez de transcrever o versículo, costumo colocar uma ligação ao livro para que cada leitor possa examinar o versículo no seu contexto.

Afirmar que determinado versículo defende a violência ou xenofobia etc… não é o mesmo que dizer que o Novo Testamento defende essa atitude.

Talvez possa explicar com uma ilustração:

Um jovem vai tirar a carta de condução e começa por estudar o código de estrada.

Lê até ao artigo 30 que diz que tem prioridade quem vier pela direita e logo tira a conclusão: Já posso conduzir… já sei quem passa primeiro. Pega num carro, passa sinais vermelhos e quando tem um acidente até pode dizer: Mas eu vinha da direita e cumpri o que diz o código de estrada. Claro que o código de estrada não diz só isso, mas diz muito mais que não se pode ignorar. Só é lícito afirmar que o código de estrada diz isto ou aquilo se a nossa informação englobar tudo que a legislação disser sobre o assunto.

Também o Velho ou Novo Testamento ou o Alcorão ou qualquer outro livro religioso têm muitos versículos e só é lícito afirmar o que tais livros afirmam sobre determinado assunto se conseguirmos resumir tudo que disserem sobre esse assunto.

Nos próximos dias tenciono abordar cada passagem que mencionaste para dar a minha opinião.

Com um abraço do

Camilo

 

 

a) «Não cuideis que vim trazer a paz à terra; não vim trazer paz, mas espada»; - Mateus 10:34. (Afinal, segundo o Novo Testamento actual, Jesus não veio trazer a paz…???).

 

Para se compreender este versículo é necessário ler o seu contexto, desde o versículo 5 até ao 42. Mateus 10:05/42

Portanto, sabemos que Mateus regista palavras que ele ouvira de Jesus.

Nessa fase do seu ministério, Jesus começa por falar aos judeus, como vemos nos versículos 5 a 7, alertando os seus discípulos para os tempos difíceis por que iriam passar e possivelmente para até afastar muitos que o seguiam pelos seus milagres para terem uma vida fácil e sem problemas. Não investiguei se isto aconteceu antes ou depois da multiplicação dos pães e peixes, mas certamente que Jesus já tinha feito curas dos doentes que o procuravam. Certamente que muitos outros o seguiam pensando que seria um Messias guerreio que iria expulsar os romanos. Todos esses eram os seguidores em que Jesus não estava interessado e quanto mais depressa se afastassem, melhor seria.

Jesus bem sabia que não seria fácil mudar a corrupção que havia nessa época e muito iriam sofrer os crentes. Tenho algumas referências a essa época que antecedeu o primitivo cristianismo no meu artigo João Batista (CC).

Jesus bem sabia que os enviava como “cordeiros ao meio de lobos”. (Vr.16)

Claro que a espada simbolizava as perseguições a que os primeiros cristãos foram sujeitos. Não era espada dos crentes. Os cordeiros não atacam, mas sim as armas dessa sociedade judaica, nomeadamente os dirigentes religiosos que iriam perder os seus privilégios.

 

 

b) «E Jacó gerou a José, marido de Maria, da qual nasceu JESUS, que se chama o Cristo». - Mateus 1:16.

 

Sim…. Também discordo desta genealogia. Que nos interessa a genealogia de José se ele não foi pai biológico de Jesus Cristo? Julgo que Mateus, que era um burocrata, hoje diríamos funcionário da alfândega, foi influenciado pelo machismo dessa cultura que só se preocupava com a genealogia dos homens e quase que ignorava as mulheres.

Mas gostaria de acrescentar que nada significa para mim que José ou Jesus fossem descendentes do rei David. Deves ter lido o meu artigo David ou Davi (CC). Acredito em Cristo porque geralmente as religiões nascem umas das outras, sendo influenciadas pelas mais antigas, mas nunca alguém falou como Ele, que contrariou muito da religião em que foi educado. Penso que foi inspirado pelo próprio Deus a que nos ensinou a tratar por Pai.  

 

— «E o mesmo Jesus começava a ser de quase trinta anos, sendo (como se cuidava) filho de José, e José de Heli, e Heli de Matã …» - Lucas 3:23/24. (Afinal, segundo o Novo Testamento actual, Jesus é filho de José e não de Deus…???)

 

Não percebo qual a dúvida. Lucas descreve o nascimento de Jesus em Lucas 1:26/57

No capítulo 3 descreve a realidade dessa época em que nem todos acreditavam na intervenção divina no nascimento de Jesus. É por isso que Lucas escreve (como se cuidava). Tanto nessa época em que estava em vigor a Lei Romana, como nos nossos dias nos países em que há liberdade, todos são e devem ser livres para acreditar ou rejeitar a intervenção divina no nascimento de Jesus.

 

 

c) «Todos (os Profetas) quantos vieram antes de mim são ladrões e salteadores; mas as ovelhas não os ouviram». - João 10:8. (Afinal, segundo o Novo Testamento actual, Jesus chamou de ladrões a todos os Profetas que o antecederam??? E, afinal, ele era Profeta tal como todos quantos vieram antes dele… e não filho de Deus…??? E mais: estes versículos contradizem o que Jesus confirmou a unidade dos Profetas de Deus em Lucas 13:28, ao dizer que todos os Profetas estão no Reino de Deus???).

 

 Nas cópias dos manuscritos em grego numa tradução palavra por palavra, está Todos quantos vieram ladrões são e salteadores, mas não ouviram a eles as ovelhas.Claro que, para colocar isto em bom português tiveram de fazer algumas alterações. Mas nessa tradução que tens, tentaram melhorar com esse “esclarecimento” e fizeram asneira, como muitas vezes acontece.

A TEB completa, que considero a melhor tradução que tenho, pois alerta para todos estes pormenores da tradução e também quando há pequenas divergências nas cópias que chegaram aos nossos dias, traduz como: Todos os que vieram antes de mim são ladrões e assaltantes, mas as ovelhas não os escutaram.

Essa parte (os profetas) que tens nessa tradução, não consta das cópias dos originais.

Então, quem seriam esses “todos” a que Jesus se refere?

Penso que há várias hipóteses possíveis: Ou seria toda a humanidade antes de Cristo, ou seriam todos os profetas, ou seria uma referência que temos de procurar no contexto dessa passagem, o que considero o mais correcto de acordo com as regras da hermenêutica. 

Jesus faz essa afirmação na sequência da parábola do bom pastor. Aliás neste mesmo versículo 8 aparece uma referência às ovelhas, portanto era o mesmo pensamento o mesmo assunto. Assim, os ladrões e assaltantes eram os que se tinham apresentado como pastores mas as ovelhas não os reconheceram.

A história também confirma que já tinham aparecido alguns antes de Jesus que se fizeram passar pelo Messias, mas não tiveram apoio popular e foram executados pelos romanos. É a esses a quem Gamaliel se refere em Actos 5:34/39. Gamaliel aconselhou a deixar os apóstolos sair, pois se Cristo não fosse o verdadeiro Messias, eles acabariam por desistir de o seguir. Já se passaram vinte séculos. Já chega para tirarmos essa conclusão? Ou temos esperar ainda mais?   

 

d) E eis que uma mulher cananeia, que saíra daquelas cercanias, clamou, dizendo: Senhor, Filho de Davi, tem misericórdia de mim, que minha filha está miseravelmente endemoninhada. Mas ele não lhe respondeu palavra. E os seus discípulos, chegando ao pé dele, rogaram-lhe, dizendo: Despede-a, que vem gritando atrás de nós. E ele, respondendo, disse: Eu não fui enviado senão às ovelhas perdidas da casa de Israel. Então chegou ela, e adorou-o, dizendo: Senhor, socorre-me! Ele, porém, respondendo, disse: Não é bom pegar no pão dos filhos e deitá-lo aos cachorrinhos  …. - Mateus 15:22/26. (Afinal, segundo o Novo Testamento, Jesus foi enviado para proclamar o seu Evangelho APENAS às ovelhas perdidas da casa de Israel?!!

 

Claro que para nós, que somos gentios, isto não parece muito simpático, pois se a mulher fosse portuguesa o problema seria o mesmo.

Mas esta não é uma transcrição completa desta passagem que é Mateus 15:21/28 os versículos em falta são importantes pois fazem parte do contexto desta passagem.

Logo no versículo 21, vemos que Jesus já não estava em Israel e esse pormenor pode ser importante para compreendermos a sua atitude.

Devo dizer-te em primeiro lugar que não sei explicar esta atitude de Jesus. Mas vou deixar-te algumas pistas de reflexão e até pode ser que os visitantes das nossas páginas na internet nos ajudem com outras sugestões e explicações.

Ficamos com a sensação de que os apóstolos até eram mais misericordiosos que Jesus, pois pedem para Jesus a despedir. Nas traduções que tenho também está mais ou menos como na tradução que apresentas.

Mas despedir é neutro. Não sabemos se os apóstolos sugerem que mande a mulher embora sem a atender, ou que cure a sua filha para que a mulher se vá embora. Afinal, talvez a “compaixão” dos apóstolos fosse em parte comodismo, para não serem incomodados com os seus gritos.

Não podemos esquecer de que nesta altura do seu ministério, a situação de Jesus em Israel já não era muito boa. Enquanto as multidões o seguiam por todo o lado, os seus contactos com os “religiosos” eram cada vez mais agressivos.

Ora Jesus foi para a Fenícia, que segundo nos informam os historiadores da antiguidade, nomeadamente Josefo, embora todos esses povos estivessem dominados por Roma, os fenícios eram os mais hostis aos judeus. Portanto, ir para a Fenícia e realizar um milagre para ajudar a mulher, seria interpretado pelos judeus, como se Jesus tivesse desistido de Israel para passar para o campo dos seus inimigos tradicionais.

Também acredito que Deus tinha um plano para a evangelização que começava por Israel, que ficaria a cargo de Jesus e a seu tempo os discípulos iriam compreender que deveriam alargar o seu trabalho a todo o mundo. Talvez pudéssemos comparar a situação de Jesus com a dum médico, dos nossos dias, que foi de férias a um país estrangeiro onde lhe pedem ajuda mas as autoridades desse país não o autorizam a exercer a sua profissão.

Nunca saberemos ao certo quais os pensamentos de Jesus nessa altura, mas sabemos que decidiu ultrapassar todas as dificuldades e correr o risco de curar uma mulher gentia, como está nos versículos finais que não mencionaste, e também são importantes.     

 

 

e)Mas quero que saibais que Cristo é a cabeça de todo o homem, e o homem a cabeça da mulher; e Deus a cabeça de Cristo. Todo o homem que ora ou profetiza, tendo a cabeça coberta, desonra a sua própria cabeça. Mas toda a mulher que ora ou profetiza com a cabeça descoberta, desonra a sua própria cabeça, porque é como se estivesse rapada. Portanto, se a mulher não se cobre com véu, tosquie-se também. Mas, se para a mulher é coisa indecente tosquiar-se ou rapar-se, que ponha o véu. O homem, pois, não deve cobrir a cabeça, porque é a imagem e glória de Deus, mas a mulher é a glória do homem. Porque o homem não provém da mulher, mas a mulher do homem. Porque também o homem não foi criado por causa da mulher, mas a mulher por causa do homem. 1ª Coríntios 11:03/09.

 

 Não permito, porém, que a mulher ensine, nem use de autoridade sobre o marido, mas que esteja em silêncio. Porque primeiro foi formado Adão, depois Eva. E Adão não foi enganado, mas a mulher, sendo enganada, caiu em transgressão. – 1ª Timóteo 2:12/14. (Afinal, no Novo Testamento, também há forte discriminação da mulher???)

 

1ª Coríntios 11:03/09 e tomei a liberdade de transcrever 1ª Timóteo 2:11/15

Certamente que são afirmações discriminatórias da mulher. No entanto, estas duas passagens, não são afirmações de Jesus, mas de Paulo que escreveu à igreja de Corinto e a Timóteo.

Não podemos esquecer de que todos estes personagens que nos aparecem nos primeiros anos do cristianismo foram educados como judeus, principalmente Paulo e a transição da mentalidade veterotestamentária para a neotestamentária, não aconteceu dum dia para o outro. Estes conselhos podem enquadrar-se perfeitamente nos primeiros livros do Velho Testamento.

Não vejo o Novo Testamento como uma listagem de mandamentos e de tudo que podemos ou não podemos fazer, ou vestir, ou comer etc. O Novo Testamento é importante porque nos fala de Jesus Cristo que, mais do que mandamentos nos deixou exemplos e nos incentiva a segui-lo.

Eu considero-me cristão, mas não prescindo de colocar em dúvida a maior parte do Velho Testamento. Bem sei que como islâmico acreditas mais no Velho Testamento do que eu que não prescindo de rejeitar a maior parte dos livros veterotestamentários. Também Jesus foi bem claro a corrigir muitas das afirmações do Velho Testamento como vemos em Mateus 5:21/48 

Apesar de considerar Paulo como um grande teólogo, penso que ele é muito machista, não só nestas passagens que mencionas, pois há mais como 1ª Coríntios 7:01/02 ou 1ª Coríntios 7:07/09 e outras mais.

Ele sugere que os outros crentes fiquem como ele (no seu estado civil). Mas como era o estado civil de Paulo? Seria casado, viúvo, divorciado?!

Nunca poderemos saber ao certo. Mas penso que temos fortes indícios, ou pelo menos suspeitas, de que ele fosse um divorciado que se deu mal com a sua mulher, que o deixou com essa aversão por todas as mulheres.

Certamente que me irão perguntar onde vi isso: Solteiro, não devia ser, pois nessa época e cultura, era tradição os pais decidirem sobre o casamento dos seus filhos e filhas logo que atingissem a maturidade sexual, muitas vezes sem o conhecimento destes.

Pelo que vemos em Actos 9:01/02, essas “cartas” que lhe entregou o sumo-sacerdote eram, como diríamos hoje, uma procuração com plenos poderes para prender os cristãos que encontrasse nas sinagogas. Nessa cultura, era impensável o sumo-sacerdote dar uma procuração dessas a um solteiro que sempre seria olhado com desconfiança por todos por ser solteiro.

Como nunca se fala na esposa de Paulo, tenho fortes suspeitas de que fosse um divorciado que ficou seriamente afectado com os problemas com a sua esposa.

Estes problemas da situação da mulher são muito condicionados pela cultura e tradição dos vários povos, talvez até mais que pelas religiões. Lembro-me de que certo dia tive de fazer a viagem entre Kuwait e Nova Deli. Nesse aspecto fui dum extremo ao outro. Depois do Kuwait onde muitos rezavam prostrados nas salas do aeroporto e as mulheres seguiam de cara tapada atrás dos seus maridos, chego a Nova Deli e vejo uma mulher, já de cabelos grisalhos, de sari, mas com divisas de oficial a comandar a segurança dessa secção de trânsito do aeroporto.        

 

 

f)Mas, em vão me adoram, ensinando doutrinas que são preceitos dos homens. - Mateus 15:9. (Afinal, segundo o Novo Testamento, Jesus disse para não o adorarem ???)

 

Custa-me a crer que não saibas interpretar este versículo. Mas vamos examiná-lo devidamente integrado no seu contexto.

Esta passagem é muito importante e aconselho a ler com atenção o contexto deste versículo. Mateus 15:7/12  

Mat.15.7- Hipócritas! Bem profetizou Isaías a vosso respeito, dizendo:

Mat.15.8- Este povo honra-me com os lábios; o seu coração, porém, está longe de mim.

Mat.15.9- Mas em vão me adoram, ensinando doutrinas que são preceitos de homem.

Mat.15.10- E, clamando a si a multidão, disse-lhes: Ouvi, e entendei:

Mat.15.11- Não é o que entra pela boca que contamina o homem; mas o que sai da boca, isso é o que o contamina.

Mat.15.12- Então os discípulos, aproximando-se dele, perguntaram-lhe: Sabes que os fariseus, ouvindo essas palavras, se escandalizaram?

 

Jesus dirige esta repreensão àqueles que no versículo 7 chamou de hipócritas, que eram os que honravam a Deus com os lábios, certamente com bonitas orações mecanicamente, repetidas, mas com o seu coração bem longe.

Pelo que vemos no versículo 11, penso que eles seriam escrupulosos cumpridores das extensas listas de alimentos proibidos que vem no Velho Testamento, possivelmente jejuavam nos dias indicados, mas a contaminação estava nos seus pensamentos e nas suas próprias palavras.

O versículo 12, parece-nos bem actual. Foram os fariseus, os que se consideravam os mais espirituais que se escandalizaram.

 

Isto faz-me lembrar um companheiro de viagem que me calhou num voo de Lisboa a Frankfurt já há alguns anos. Era um homem de meia idade com um turbante que logo identifiquei como Sique que por sorte se sentou ao meu lado. Afinal, ele falava português pois era também moçambicano como eu, também nascido na antiga Lourenço Marques, actual Maputo.

Quando serviram a refeição, vendo que ele também comia o mesmo, perguntei-lhe por curiosidade, se ele podia comer de tudo. Respondeu-me: Não devia comer… mas já me habituei a comer de tudo. Pouco depois acrescentou: Há coisas mais importantes.

 Eu pensei logo (até me envergonho de dizer), é mais um que já não se preocupa com a sua religião e já come de tudo.

Julgo que ele percebeu o meu pensamento precipitado. Disse-me que era médico ao serviço dos “Médicos sem fronteiras” que regressava dum país africano à sede dessa organização e de regresso, sempre que possível, fazia o trajecto com mudança de avião em Lisboa, com demora de algumas horas que dava para apanhar o táxi até à baixa de Lisboa para comer um bacalhau que há anos não tinha oportunidade de comer.

Depois repetiu: Eu como de tudo. Onde estive a trabalhar, para mim, como estava lá para os ajudar, sempre me arranjavam alguma coisa melhor para comer. Mas nunca tive coragem para recusar seja o que fosse, dizendo que a minha religião não permitia, sabendo que não muito longe havia pessoas em risco de morrer de fome… Há coisas mais importantes.      

Penso que ele tinha razão. Por vezes temos de estabelecer uma certa hierarquia nos nossos valores quando há normas e mandamentos que se contradizem.   

 

 

g) E, outra vez vos digo que é mais fácil passar um camelo pelo fundo de uma agulha do que entrar um rico no Reino de Deus. - Mateus 19:24

   Afinal, segundo o Novo Testamento, Jesus disse que os ricos não entrarão no Paraíso …??? ao contrário do que Deus diz no Alcorão 28:77: Mas procura (ó Muham-mad), com aquilo com que Deus te tem agraciado, a morada do outro mundo; não te esqueças da tua porção neste mundo, e sê amável, como Deus tem sido para contigo, e não semeies a corrupção na terra, porque Deus não aprecia os corruptores.

 

Considero-me como cristão. Admito que Deus tenha falado através de muitas religiões, pois como tenho dito, nenhuma religião pode monopolizar Deus nem impedi-lo de se manifestar a quem entender. Mas penso que a tua afirmação de que “Deus diz no Alcorão…” está um pouco deslocada numa página de reflexão teológica aberta a todas as religiões, nomeadamente quando te referes a contradições em diferentes livros.

Mas penso que não é bem isso que diz Mateus 19:24 que nos alerta para as dificuldades dum rico entrar no Reino de Deus. Mas, ser difícil, não é o mesmo que impossível.

Também Alcorão 28:77 não garante a entrada no Paraíso, mas tem uma exortação para a procurar… Portanto é porque essa entrada ainda não estava garantida.

Mas julgo que tens certa razão quanto a essa contradição, pois o Novo Testamento em muitas passagens e até parábolas, transmite a ideia do pobre estar mais perto de entrar no reino de Deus. É o que vemos, não só nesta passagem que indicaste, principalmente lendo todo o seu contexto Mateus 19:16/24, com na parábola do Rico e Lázaro (CC), e temos também o caso da viúva pobre, cuja oferta considerada como insignificante pelos sacerdotes, foi considerada por Jesus como a maior de todas Viúva pobre (Oferta da) (CC). Há muitas outras passagens, mas julgo que estas são as principais.  

Penso que o Alcorão tenha sido influenciado pela mentalidade veterotestamentária que considerava o mais rico como o mais santo. Mas era somente uma santidade higiénica e santidade genealógica como refiro no meu artigo Santidade ao Senhor - Bom Samaritano (CC)

Agora, cada um é livre para acreditar se os mais ricos como os “donos o mundo” o grande capital nos países mais ricos são os que Deus escolheu para o Céu ou se são os pobres que buscam a Deus.

 

 

h) Porque, em parte, conhecemos, e em parte profetizamos; Mas, quando vier o que é perfeito, então o que o é em parte será aniquilado. 1ª Coríntios 13:9/10. (Afinal, segundo o Novo Testamento, Jesus disse que virá um evangelho perfeito e o que o é será aniquilado. Então esse Evangelho Perfeito não pode ser o Evangelho de Jesus Cristo!… Não será o Alcorão?)

 

A mensagem do Evangelho não pode ser lida como um livro de legislação com uma série de leis e regras onde cada um tira o que lhe convém. Também neste caso, não nos podemos agarrar a versículos isolados ignorando o seu contexto. Temos em primeiro lugar de ler, pelo menos os capítulos 12 e 13, para saber do que ele está a falar. 1ª Coríntios 12, 1ª Coríntios 13. 

Paulo refere-se aos dons do Espírito Santo, como vemos logo no início do capítulo 12. Como sabemos, a Igreja de Corinto era uma igreja grande com muita gente com os mais variados dons. Mas alguns julgavam-se mais importantes pelos dons que possuíam. É esse o assunto abordado por Paulo que exorta os crentes a desenvolver os seus dons com que serviam na igreja onde há dons diferentes, mas não há dons mais ou menos importantes 1ª Coríntios 12:22 pois todos estão interligados como os órgãos dum mesmo corpo 1ª Coríntios 12:26 e o capítulo 13 termina com a exortação para procurarmos os melhores dons e a promessa de nos mostrar um ainda melhor. 

Não nos podemos esquecer de que nos documentos originais não havia capítulos nem versículos, que tão úteis são para localizarmos as passagens, mas podem ser prejudiciais se nos deixarmos influenciar com essa divisão, que nem sempre á a melhor. Se olharmos para o fim do capítulo 12 e inícios do capítulo 13, ficaria assim:

 

Mas procurai com zelo os maiores dons. Ademais, eu vos mostrarei um caminho sobremodo excelente.

Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o címbalo que retine. E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria. E ainda que distribuísse todos os meus bens para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria.

O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não se vangloria, não se ensoberbece, não se porta inconvenientemente, não busca os seus próprios interesses, não se irrita, não suspeita mal; não se regozija com a injustiça, mas se regozija com a verdade; tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.

O amor jamais acaba; mas havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, desaparecerá; porque, em parte conhecemos, e em parte profetizamos; mas, quando vier o que é perfeito, então o que é em parte será aniquilado.

 

Portanto, quando Paulo diz no versículo 10 … quando vier o que é perfeito… não está a pensar em pessoas ou em legislação ou num outro evangelho, mas em dons, dando maior ênfase ao amor. Nas línguas dos nossos dias, há vários tipos de amor, mas em grego havia palavras diferentes e Paulo refere-se ao amor “ágape” que podemos traduzir por amor desinteressado.

 

Caro Yiossuf, é tudo quanto posso comentar em relação às questões que me colocas. Mas deixemos este espaço em aberto para outras mensagens que os visitantes das nossas páginas na internet nos queiram enviar.

Vou comentar nos próximos dias a questão que colocaste sobre o “Espírito da verdade”.

Com um abraço do

Camilo 

 

 

 

 

 

2º. Comentário ao artigo «CRISTO ESTARÁ DIVIDIDO?!, de autoria de Camilo Coelho

Por: M. Yiossuf Adamgy

 

Quem é esse ESPÍRITO SANTO e o ESPÍRITO DA VERDADE e quais as suas missões espirituais, segundo Jesus.

 

QUEM É O ESPÍRITO DA VERDADE?

Segundo a profecia de Jesus em João 16:12/14: quando o espírito da verdade vier, orientará a Humanidade para toda a verdade”…, recorrendo ao Evangelho eterno, o qual é referido no livro do Apocalipse 14:6/7: «Então, olhei e vi outro Anjo, que voava pelo meio do Céu e tinha na mão o Evangelho eterno para proclamar aos que habitam sobre a Terra – a toda a nação, tribo, língua e povo. E disse em voz alta: Temei a Deus e dai-Lhe glória, porque chegou a hora do Seu juízo. Adorai Aquele que criou o Céu e a Terra, o mar e as fontes de água.”»

Assim sendo, a declaração quando o espírito da verdade vier apenas pode significar que o espírito da verdade não estava no mundo quando Jesus profetizou a seu respeito; quem, então, era o espírito da verdade que viria com o Evangelho eterno para orientar todos os que habitam sobre a Terra para toda a verdade?

De acordo com o Oxford Advanced Learner’s Dictionary, edição internacional para estudantes, o pronome “Ele” usado por Jesus para descrever o espírito da verdade em várias passagens de João 16:12/14, refere-se a “uma pessoa do sexo masculino”. O pronome “Ele” representa o sexo masculino e pode ser usado para descrever um ser humano ou uma pessoa. Isto demonstra que “o espírito da verdade” mencionado por Jesus era um ser humano. É chamado de espírito da verdade simplesmente porque a verdade é personificada por ele; ele é o epitoma da verdade e estava para vir com a verdade eterna a proclamar ao mundo.

 

EM João 16:12/14, ESPÍRITO DA VERDADE NÃO SIGNIFICA ESPÍRITO SANTO

Inúmeros Cristãos foram ensinados a acreditar que o espírito da verdade que orientaria a Humanidade para toda a verdade, conforme referido por Jesus Cristo, é o Espírito Santo. Contudo, não compreendem que o Espírito Santo já estava no mundo, a ajudar e a ministrar Jesus durante a vida de Jesus na terra, enquanto o espírito da verdade viria com o seu evangelho eterno após a partida de Jesus deste mundo.

Em João 16:7, Jesus diz: Todavia, digo-vos a verdade; é para vosso benefício que eu vou. Se eu não for, o Consolador não virá a vós”. Isto demonstra que o auxiliador, também denominado espírito da verdade ou consolador, viria apenas após a partida de Jesus e não durante a sua vida. Segundo Jesus, em João 16:7, a condição que justifica a vinda do espírito da verdade é a de que Jesus parta, a sua vinda não se verificará enquanto este viver. Assim sendo, como pode alguém acreditar que o Espírito Santo e o espírito da verdade são o mesmo, quando o Espírito Santo viera já ao mundo, antes e durante a vida de Jesus? De facto, o Espírito Santo ajudou Jesus durante toda a sua permanência na Terra. Os seguintes versículos da Bíblia provam que o Espírito Santo esteve presente antes e durante o ministério de Jesus.

(i)  João 20:22/23: - “E havendo dito isto, (Jesus) soprou sobre eles e disse-lhes: ‘Recebei o Espírito Santo. Se perdoardes os pecados de alguém, estes serão perdoados; se os retiverdes, serão retidos!’”

Comentário: Jesus não lhes teria entregado o Espírito Santo, caso o não tivesse consigo.

(ii)Mateus 12:28; Jesus disse: “Mas, se é pelo Espírito de Deus que eu expulso os demónios, então, o reino de Deus chegou a vós”.

(iii) Lucas 3:22 e Mateus 3:15/17: - “O Espírito Santo desceu sobre ele como uma pomba, quando Jesus foi baptizado no rio Jordão”.

Os versículos em cima referidos, relativos à presença do Espírito Santo aquando do ministério de Jesus, revelam que lhe era impossível profetizar quanto à vinda de alguém que já estava com ele. Foi este mesmo Espírito Santo que conduziu Jesus Cristo para o deserto, a fim de ser tentado pelo demónio, conforme referido em Mateus 4:1: ver também Lucas 4:1, que diz: “Na plenitude do Espírito Santo, Jesus voltou do Jordão; e foi levado pelo Espírito Santo para o deserto”.

Por conseguinte, a vinda do Espírito Santo nada tem a ver com a partida de Jesus, visto já estar com Jesus, aquando do seu tempo, e antes, conforme referido em Salmos 51:11, Lucas 2:25/27, Lucas 1:67 e Lucas 1:15. Por último, quando Jesus utilizou o tempo futuro; “Quando o espírito da verdade vier” conforme referido em João 16:12/14, o que apenas significa que o espírito da verdade ou auxiliador não estava no mundo aquando da permanência de Jesus na Terra. Por conseguinte, trata-se de um abuso das evidências da escritura e é irracional acreditar que Jesus fizera uma profecia quanto à vinda do Espírito Santo em João 16:12/14. Como pode alguém ser de tal forma cego espiritualmente, que não percebe a clara distinção entre o espírito da verdade e o Espírito Santo na explicação em cima?

Além disso, Jesus diz no mesmo João 16:17 que: “se eu partir, eu o enviá-lo-ei para vós, o que significa apenas que o espírito da verdade só viria por intermédio das orações e expectativas de Jesus, conforme referido em João 14:16: E eu rogarei ao Pai, e Ele dar-vos-á um outro Consolador, que habite para sempre entre vós”.

Isto revela que não seria Jesus a enviar o Consolador, mas sim o Pai, assim como também Jesus fora enviado pelo Pai.

Mais importante, a palavraum outro consolador” dita por Jesus em João 14:16 não pode ser tida como se significasse um outro espírito santo, dada a existência de um único Espírito Santo.

Um outro consolador significa mais um consolador, que se seguirá a Jesus Cristo… E quando Jesus diz em João 14:16 que o consolador habitaria para sempre entre nós, isso apenas significa que o Evangelho eterno e universal ou que a escritura a ser trazida pelo espírito da verdade a partir de Deus permanecerá para sempre entre os povos. Isto significa que os ensinamentos do consolador serão perpétuos e perfeitos.

 

Referências:

- A Bíblia.

- O Alcorão.

- Prophet Muhammad (pbuh) in the Bible, by H. Yusuf Mabera.

 

 

Opinião de Camilo Coelho

1. Se o problema é saber se Espírito Santo não é o mesmo que Espírito da Verdade, vamos começar por procurar passagens em que estes nomes aparecem quer no Velho quer no Novo Testamento nesta tradução que tenho minha página na internet. Importa também investigar o que significa, não só na sua etimologia, como a semântica da palavra nos dois Testamentos.

 

2. No Velho Testamento cujas cópias dos originais estão em hebraico, aparece a palavra “ruah”. Mas sendo o hebraico uma língua muito antiga e um tanto primitiva, com pouco vocabulário, essa palavra tanto foi traduzida por “espírito” como por “sopro”, “respiração” ou “vento”. A semântica dessa palavra transmite a ideia dum fluído que ninguém controla. Assim, quando Génesis descreve a criação do universo, em Génesis 1:2 mencionando que o “Espírito de Deus pairava sobre a face das águas”, podia ser traduzido pelo “sopro” de Deus que separou as trevas da luz. É também a mesma ideia do vento que está na passagem do Mar Vermelho, ou o vento que trouxe as pragas do Egipto. Deus actua pelo vento, ou sopro, que é tradução da mesma palavra hebraica “ruah.

Estamos no Verão, na época dos incêndios (em Portugal), em que por vezes vemos pela TV, como uma simples mudança de vento na sua direcção, velocidade ou teor de humidade pode ser decisiva para agravar ou melhorar as condições de combate em que muitos homens, viaturas e aviões estão empenhados.  

Em hebraico era também o Espírito (de Deus) ou o espírito de cada ser humano relacionado com a vida. Fiz uma busca da palavra “espírito” nos textos canónicos do Velho Testamento e nesta tradução que tenho na minha página vi que:

Não aparece Espírito Santo mas encontrei Espírito de Deus que aparece 12 vezes; espírito de vida 3 vezes; espírito de sabedoria 2 vezes; espírito de ciúmes 3 vezes; espírito de conselho 1 vez etc… Certamente que muitos outros registos me passaram despercebidos. Há também versículos em que a palavra espírito se refere à alma dum ser humano, como no caso de “espírito de Elias” em 2º Reis 2:15; “espírito de Ciro” em 2º Crónicas 36:22 e Esdras 1:1; “espírito de todo o género humano” em Job 12:10

 

3. No Novo Testamento, as cópias dos manuscritos originas, já estão em grego, que é a língua mais desenvolvida que temos. A palavra que geralmente foi traduzida por espírito é a palavra “pneuma” que aparece 375 vezes no Novo Testamento. Temos na nossa língua, muitas palavras que têm a sua origem na palavra grega “pneuma” desde a pneumatologia até aos pneus dos nossos carros, pelo facto de terem ar no seu interior. 

Gradualmente no Novo Testamento, a ideia veterotestamentária que relacionava o espírito ao vento, que ainda se nota em João 3:8 ou Actos 2:01/11 ou Hebreus 1:7 foi dando lugar a outras ideias.

Segundo o Dicionário de Teologia Bíblica das Edições Loyola, a palavra espírito “pneuma” pode ter os seguintes significados:

Espírito do ser humano ou respiração João 20:22, Actos 17:25, 2ª Tessalonicenses 2:8. Durante milhares de anos, diziam que o ser humano morreu, quando deixava de respirar, o que de certa maneira está de acordo com Job 12:10 no Velho Testamento.

O hálito vital ou o princípio da vida que vem de Deus, com vemos em Mateus 27:50, Lucas 8:55, João 19:30.      

O espírito como sede das percepções e sensações Lucas 1:47, João 11:33, 1ª Coríntios 4:21, 1ª Pedro 3:4.

O espírito como sede dos pensamentos Marcos 2:8, Actos 18:25, Romanos 1:9       

Há passagens que nos falam dos espíritos maus Mateus 8/16, Marcos 9:20, ou espíritos imundos Marcos 03:11, Actos 08:07      

Todos estes espíritos, até aqui mencionados no Novo Testamento, penso que nada têm a ver com o Espírito Santo ou Espírito de Deus, que suponho serem expressões equivalentes. Em grego “pneuma hagion” e em latim “Spiritus Sanctus”. Era o cumprimento da promessa feita a Maria em Mateus 1:18/20 e Lucas 1:35 Maria recebeu o poder que têm os que recebem o Espírito Santo Actos 1:8 e que tão necessário seria para ultrapassar todas as dificuldades, não como quase uma “semi-deusa” como muitos imaginam, mas como simples mulher da época em que viveu. Maria - Mãe de Jesus (CC).     

Verifico que a expressão Espírito Santo aparece em todos os evangelhos, Actos e principais cartas, num total de 86 vezes em todo o Novo Testamento.

A expressão Espírito da verdade aparece só duas vezes no evangelho de João em João 14:17 e João 16:13 e uma vez em 1ª João 4:6 portanto só três vezes.

Na passagem já citada em João 4:6 além de espírito da verdade aparece também espírito do erro.

Então, teremos também de considerar a existência do “espírito do erro” pelos mesmos motivos? Não será muito pouco, para se fundamentar a teoria do “Espírito da Verdade” ser diferente do “Espírito Santo”?! Só o Apóstolo João fala em “Espírito da verdade”. Mais ninguém fala nisso e não conheço nenhuma tradição do primitivo cristianismo que reconheça algum “Espírito da verdade” diferente do Espírito santo. 

Encontrei também a expressão Espírito de Deus que aparece 8 vezes no Novo Testamento, uma vez em Mateus e as outras em várias epístolas

 

4. No Alcorão

Atendendo a que esta dúvida foi levantada pelo amigo islâmico Yiossuf Adamgy, embora eu não seja um entendido no islão, dei também uma olhada no Alcorão.

No Alcorão também encontrei 19 vezes a palavra “Espírito”, relacionada com as seguintes expressões:

“Espírito da santidade” em Alcorão 002:087, Alcorão 002:253, Alcorão 005:110 e Alcorão 016:102

“Meu Espírito (de Deus)   Alcorão 015:029, Alcorão 038:072,

“Nosso Espírito”                 Alcorão 038:072, Alcorão 021:091, Alcorão 066:012,

Seu Espírito (de Cisto)       Alcorão 004:171,

O Espírito                           Alcorão 017:085,        

Seu Espírito (de Deus)        Alcorão 032:009, Alcorão058:022,          

Espírito Fiel                        Alcorão 026:193,

Espírito da Inspiração        Alcorão 040:015,

Um espírito                        Alcorão 042:052,

O Espírito (anjo Gabriel)    Alcorão 070:004,

O Espírito e os anjos          Alcorão 078:038,

Os anjos e o espírito           Alcorão 097:004,  

 

5. Por curiosidade, investiguei também a palavra “espírito” no induísmo a religião mais antiga dos nossos dias, nomeadamente numa tradução livre do Bhagavad Guitá, que em certos aspectos nos parece bem actual e encontrei as seguintes referências ao espírito em: Bhagavad 02:22, Bhagavad 02:44, Bhagavad 02:48, Bhagavad 02:66/67, Bhagavad 03:26, Bhagavad 03:30, Bhagavad 06:14, Bhagavad 08:07/08, Bhagavad 08:12, Bhagavad 08:24, Bhagavad 09:25, Bhagavad 10:09, Bhagavad 12:02, Bhagavad 12:07/09, Bhagavad 13:19/33, Bhagavad:14:14, Bhagavad 14:22, Bhagavad 15:07/10, Bhagavad 17:06.  

 

6. Conclusão.

Penso que a mesma questão levantada no comentário que recebi, defendendo que o Espírito da Verdade seja diferente do Espírito Santo, poderia ser colocada em relação e todos os outros nomes. Não só Espírito da Verdade como Espírito de Deus, da vida, da sabedoria, do conselho, como está em várias passagens do Bíblia, como também no Alcorão encontrei Espírito da santidade, Espírito fiel e Espírito da inspiração. Julgo que tais expressões funcionam como adjectivos dum mesmo Espírito Santo ou Espírito de Deus, que tem todos estes atributos. Um dos atributos de Deus é estar fora do tempo. Como vimos no Velho Testamento logo na formação do Universo o Espírito de Deus já actuava para separar as trevas da luz Génesis 1:2.

Mas, mesmo assim, quando em João 16:12/14 Jesus de refere à futura vinda do Espírito da Verdade, não afirma que viria pela primeira vez. O Espírito Santo já tinha vindo desde o início do Universo, para separar a luz das trevas. Também nos parece ridícula a afirmação do Oxford Advanced Learner’s Dictionary de que se tratava duma pessoa do sexo masculino?!!! Na antiguidade discutia-se o sexo dos anjos. Será que agora esse dicionário que não conheço irá discutir o sexo dos espíritos?!

O Velho Testamento afirma que alguns homens tinham o Espírito de Deus, em especial os reis e profetas Êxodo 35:30/32s Números 24:2 etc. mas o derramamento do Espírito Santo no Novo Testamento era como a chuva que cai sobre todos. Actos 2:1/21 

Vemos que a palavra “Espírito” pode ter vários significados de acordo com o contexto em que é utilizada.

Nesta lista das referências à palavra “espírito”, que não garanto que esteja completa, haverá certamente versículos em que “espírito” se refere ao “Espírito Santo” assim como outras que se referem ao “espírito” de todo o ser humano, que muitos defendem ser diferente da alma Hebreus 4:12. Também Jesus tinha espírito como todo o ser humano, além de outras atribuições que lhe foram concedidas pelo Pai. Lucas 23:46.

João emprega a expressão Espírito de verdade pela primeira vez no seu evangelho. Se fosse diferente do Espírito Santo, não seria natural que nos desse alguma informação sobre esse novo personagem?! Se Deus é o criador do Universo, então não pode estar no Universo que criou, nem estar sujeito ao tempo, para podermos raciocinar se o Espírito Santo veio antes ou depois de determinado acontecimento histórico.

Se pelo facto de ser um nome que não coincide com o nome “Espírito Santo” nos levasse a crer que era um outro ser, então também “Espírito de vida” ou “de sabedoria”, “de conselho” expressões que estão na Bíblia, assim como outras expressões que estão no Alcorão, como “Espírito Fiel” em Alcorão 026:193, ou “Espírito da inspiração” em Alcorão 040:015, não seriam também outros seres diferentes do Espírito Santo?

Certamente que há casos, como já mencionámos, Mateus 8/16, Marcos 9:20, que estão relacionados com os “espíritos maus”, assim como os “espíritos imundos” em Marcos 03:11, Actos 08:07, que certamente não se referem ao Espírito Santo.

Penso que não temos suficiente informação, com passagens didácticas sobre estes seres, mas somente algumas referências, pelo que prefiro manifestar a minha ignorância. Deus não nos revelou mais pormenores e temos de nos contentar com as informações que temos. 

Julgo que, nestes casos, as expressões “de vida”, ou “de sabedoria”, ou “de conselho”, “da inspiração” etc. são casos de liberdade de expressão que funcionam como adjectivos, que eram mais vulgares nessas antigas culturas do que nos nossos dias.

Para terminar, lembro que a fórmula do batismo em Mateus 28:19 menciona o Pai, o Filho e o Espírito Santo. Não há qualquer referência aos outros atributos, pois certamente Espírito Santo é o Espírito de Deus, símbolo da vida, da sabedoria, da verdade, do conselho, da fidelidade, da inspiração etc. etc.

 

Quero esclarecer, que me considero cristão, mas baseio-me somente no Novo Testamento sem o Apocalipse pelos motivos que menciono no meu artigo Apocalipse e o cânon neotestamentário (CC) Tenho sérias dúvidas em aceitar o Velho Testamento como inspirado e também não aceito o Alcorão que sofreu forte influência do Velho Testamento, embora não possa ignorar que muitos crêem nesses livros. Mas claro que respeito todos os livros considerados como inspirados e acredita quem assim o entender, pois na minha página na internet defendo a liberdade de expressão e o Direito à heresia (CC). Neste comentário, menciono também alguns versículos do Induísmo, embora não seja hindu, mas sou sensível aos pensamentos profundos do Bhagavad Guitá. Um dos grandes problemas dos nossos dias são as barreiras entre as religiões.  

É este o comentário que posso acrescentar ao comentário do estudioso Yiossuf Adamgy da Mesquita de Lisboa, colaborador da nossa página na internet, nomeadamente na secção do Islão, a quem agradeço pela sua colaboração e divulgação destas opiniões que são vulgares entre os islâmicos.  

 

Camilo – Marinha Grande, Portugal

Agosto de 2016